{"status":"ok","elements":"
\n
\n
\n \"\" <\/div>\n <\/div>\n<\/div>
\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

Desde 1976 o Cebes cumpriu importante papel no \u00e2mbito do chamado \u201cMovimento Sanitarista Brasileiro\u201d, cujas origens remontam aos primeiros anos da ditadura militar, que reuniu amplo leque de for\u00e7as e atores sociais progressistas, incluindo, al\u00e9m dos profissionais da \u00e1rea m\u00e9dica, os sindicatos, o Parlamento e as universidades. […]<\/p>\n

Dentre tantas contribui\u00e7\u00f5es relevantes, gostaria de destacar o \u201cI Simp\u00f3sio Nacional de Pol\u00edticas de Sa\u00fade\u201d, promovido pela Comiss\u00e3o de Sa\u00fade da C\u00e2mara dos Deputados, em 1979. Um dos seus pontos altos foi a divulga\u00e7\u00e3o do documento \u201cA quest\u00e3o democr\u00e1tica na \u00e1rea da sa\u00fade\u201d apresentado pela dire\u00e7\u00e3o nacional do Cebes, que teve como origem uma proposta preliminar preparada por H\u00e9sio Cordeiro, Jos\u00e9 Luiz Fiori e Reinaldo Guimar\u00e3es, nascente no espa\u00e7o acad\u00eamico do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.<\/p>\n

A import\u00e2ncia real e simb\u00f3lica deste texto decorreu da \u201cpreced\u00eancia hist\u00f3rica no lan\u00e7amento do projeto do Sistema \u00danico de Sa\u00fade\u201d, assinala o saudoso m\u00e9dico sanitarista Eleut\u00e9rio Rodriguez Neto. De fato, com oito anos de anteced\u00eancia, o documento do Cebes delineia os contornos do que viria a ser o novo paradigma de interven\u00e7\u00e3o estatal na sa\u00fade, consagrado pela nova Constitui\u00e7\u00e3o. Essa contribui\u00e7\u00e3o foi uma das mais importantes refer\u00eancias para a consagra\u00e7\u00e3o do SUS na Carta de 1988.<\/p>\n

Vida longa ao Cebes e ao SUS!<\/p>\n

Eduardo Fagnani<\/em><\/p>\n

Professor do Instituto de Economia da Unicamp<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

Estive no nascimento do Cebes. Mais precisamente no seu segundo nascimento, quando a coordena\u00e7\u00e3o do Centro veio para o Rio de Janeiro – 1977 ou 1978, n\u00e3o estou certo. Se n\u00e3o me engano tomei parte na diretoria que ent\u00e3o assumiu, sob a lideran\u00e7a de S\u00e9rgio Arouca. O Cebes foi parido como uma ferramenta de resist\u00eancia ao regime militar, para ser um coveiro desse regime. E conclu\u00edda essa tarefa, passou de coveiro a parteiro de um novo sistema de sa\u00fade que ent\u00e3o era gestado – o Sistema \u00danico de Sa\u00fade. Hoje confesso um sentimento amb\u00edguo quanto a esse Cebes que jamais traiu essas duas grandes miss\u00f5es que o destino lhe p\u00f4s \u00e0 frente. Sentimento de alegria pela sensa\u00e7\u00e3o de dever cumprido; e de tristeza pela inusitada circunst\u00e2ncia de ter que, passados tantos anos, acumular suas duas miss\u00f5es inaugurais. A de defender a sua cria de 1990 ao mesmo tempo em que luta para enterrar o regime golpista e antinacional que se instalou no pa\u00eds.<\/p>\n

Que as novas gera\u00e7\u00f5es possam dar uma longa vida ao nosso Cebes.<\/p>\n

Reinaldo Guimar\u00e3es<\/em><\/p>\n

Mestre em Medicina pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do\u00a0 Estado do Rio de Janeiro (UERJ)<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

Na constru\u00e7\u00e3o de uma na\u00e7\u00e3o h\u00e1 prioridades relacionadas com a possibilidade de se manter como sociedade. Educa\u00e7\u00e3o, sa\u00fade, seguran\u00e7a, justi\u00e7a social, habita\u00e7\u00e3o, lazer, s\u00e3o alguns dos elementos priorit\u00e1rios para que a na\u00e7\u00e3o avance suas concep\u00e7\u00f5es de valores, exer\u00e7a seu papel hist\u00f3rico em meio a outras na\u00e7\u00f5es. Uma na\u00e7\u00e3o deve buscar a sa\u00fade de seu povo atrav\u00e9s de pol\u00edticas p\u00fablicas, da forma\u00e7\u00e3o de h\u00e1bitos e de um conjunto de a\u00e7\u00f5es que aumentam o conhecimento sobre a sa\u00fade e o desejo de ser saud\u00e1vel. Para isso, dever\u00e1 ter institui\u00e7\u00f5es s\u00f3lidas voltadas para estes fins.<\/p>\n

Na constru\u00e7\u00e3o da na\u00e7\u00e3o brasileira o Centro Brasileiro de Estudos em Sa\u00fade \u00e9, certamente, uma dessas institui\u00e7\u00f5es. Desde sua funda\u00e7\u00e3o, nos anos setenta do s\u00e9culo XX, exerce um papel fundamental na luta por uma na\u00e7\u00e3o mais justa, difundindo, desde seus prim\u00f3rdios, a compreens\u00e3o de que sa\u00fade \u00e9 muito mais do que um conjunto de servi\u00e7os voltados para minorar os problemas trazidos pelas doen\u00e7as. Seu pioneirismo n\u00e3o se limitou, jamais, \u00e0 luta pol\u00edtica, ou \u00e0 produ\u00e7\u00e3o isolada de conhecimento, mas \u00e0 integra\u00e7\u00e3o destes e de outros elementos constitutivos da sa\u00fade da na\u00e7\u00e3o. \u00c9, desde seu in\u00edcio, um iluminador do caminho para uma sa\u00fade integral, equitativa e universal. A sa\u00fade no Brasil n\u00e3o teria avan\u00e7ado a seu atual est\u00e1gio, com a constru\u00e7\u00e3o de um sistema que, apesar de todas as dificuldades, se mant\u00e9m com o reconhecimento internacional de um dos melhores sistemas elaborados e implementados em um pa\u00eds.<\/p>\n

Devemos isso ao Cebes e muito mais. Devemos pelo exemplo de lideran\u00e7a, de coragem, de luta em meio \u00e0 adversidade. Gra\u00e7as ao Cebes mantemos acesa a chama da esperan\u00e7a de uma sociedade mais justa e de uma verdadeira na\u00e7\u00e3o.<\/p>\n

Walter Ferreira de Oliveira<\/em><\/p>\n

Presidente da Associa\u00e7\u00e3o Brasileira de Sa\u00fade Mental<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n <\/div>\n<\/div>
\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

Em tempos de retrocessos e de tentativas de destrui\u00e7\u00e3o da capacidade de investimento social do Estado brasileiro, o Cebes representa uma importante trincheira de resist\u00eancia. Resist\u00eancia \u00e0 PEC 241, resist\u00eancia \u00e0 privatiza\u00e7\u00e3o da sa\u00fade. Vida longa ao Cebes.<\/p>\n

Guilherme Boulos<\/em><\/p>\n

membro da Coordena\u00e7\u00e3o Nacional do\u00a0Movimento dos Trabalhadores Sem Teto\u00a0(MTST).<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

O Centro Brasileiro de Estudos da Sa\u00fade \u00e9 um dos principais protagonistas do Movimento da Reforma Sanit\u00e1ria Brasileira, movimento que n\u00e3o se esgotou com a inscri\u00e7\u00e3o dos princ\u00edpios resultantes da VIII Confer\u00eancia Nacional de Sa\u00fade na Constitui\u00e7\u00e3o de 1988 e com a promulga\u00e7\u00e3o da Lei Org\u00e2nica da Sa\u00fade, porquanto o SUS vem sofrendo ataques de diversos setores contr\u00e1rios \u00e0 publiciza\u00e7\u00e3o da sa\u00fade desde o seu nascimento.<\/p>\n

Como membro do Minist\u00e9rio P\u00fablico Federal venho atuando em defesa do direito p\u00fablico subjetivo \u00e0 sa\u00fade e na defesa do SUS desde 1994 e j\u00e1 no primeiro momento travei conhecimento com o CEBES que, em todas as oportunidades poss\u00edveis, colaborou e vem colaborando com o MPF nessa miss\u00e3o, \u00a0institucionalmente e\/ou com o profundo conhecimento de sa\u00fade p\u00fablica por parte de seus dirigentes e associados.<\/p>\n

Parab\u00e9ns ao CEBES pelos 40 anos de exist\u00eancia, pela luta em defesa da sa\u00fade p\u00fablica, do SUS e por ter colaborado para a forma\u00e7\u00e3o de importantes quadros para a dissemina\u00e7\u00e3o do conhecimento te\u00f3rico e pr\u00e1tico sobre sa\u00fade em nosso pa\u00eds.<\/p>\n

Oswaldo Jos\u00e9 Barbosa Silva<\/em><\/p>\n

Subprocurador-Geral da Rep\u00fablica, Minist\u00e9rio P\u00fablico Federal<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

A Enfermagem \u00e9 parceira do Cebes desde o movimento sanitarista que culminou na cria\u00e7\u00e3o do Sistema \u00danico de Sa\u00fade \u2013 SUS. Seguimos juntos na miss\u00e3o de construir e aperfei\u00e7oar, dia a dia, o SUS, conquista democr\u00e1tica do povo brasileiro. Em um momento em que esta conquista se v\u00ea amea\u00e7ada pelo subfinanciamento, pelas terceiriza\u00e7\u00f5es e pelo desmonte intencional de estruturas, o Cebes tem um papel fundamental na formula\u00e7\u00e3o de propostas e na vig\u00edlia em defesa da Sa\u00fade p\u00fablica, gratuita e universal.<\/p>\n

Manoel Neri<\/em><\/p>\n

Presidente do Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) \u2013\u00a0Gest\u00e3o 2015-2018<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

Comemorar os 40 anos do Cebes \u00e9 comemorar a hist\u00f3ria de luta e resist\u00eancia de centenas de profissionais da sa\u00fade e lideran\u00e7as populares que, desde o golpe de 64, se organizam em todo o Brasil por uma sa\u00fade p\u00fablica gratuita e de qualidade. O Grito dos Exclu\u00eddos\/as Continental, em nome do projeto \u201cDireitos Sociais e Sa\u00fade: fortalecendo a cidadania e a incid\u00eancia pol\u00edtica\u201d, se sente privilegiado por ter, como um dos principais parceiros de trabalho na luta contra a exclus\u00e3o e em defesa do SUS, o Cebes. Passados 40 anos, os direitos sociais, em especial a sa\u00fade, seguem na l\u00f3gica da mercantiliza\u00e7\u00e3o. Esta nossa parceria seguir\u00e1 forte e comprometida porque nossos desafios e nossa luta s\u00e3o comuns. Queremos uma sa\u00fade inclusiva e universal. Queremos sa\u00fade, trabalho, justi\u00e7a e vida para todos\/as.<\/p>\n

Luiz Bassegio<\/em><\/p>\n

Grito dos Exclu\u00eddos\/as Continental<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n <\/div>\n<\/div>
\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

A atua\u00e7\u00e3o do Cebes \u00e9 extremamente importante, definidora e construtora de um paradigma para a sa\u00fade: que n\u00e3o existe sa\u00fade sem a rela\u00e7\u00e3o com o social, as condi\u00e7\u00f5es sociais e econ\u00f4micas da popula\u00e7\u00e3o, sobretudo a nossa no Brasil. O Cebes contribuiu muito para a introdu\u00e7\u00e3o dessa vis\u00e3o na Sa\u00fade Coletiva e na Sa\u00fade P\u00fablica. Na Sa\u00fade Coletiva voc\u00ea olha para as pessoas, a pr\u00e1tica e a teoria. A Sa\u00fade P\u00fablica \u00e9 como as pol\u00edticas p\u00fablicas respondem a essas necessidades. O Cebes fez essa jun\u00e7\u00e3o desses dois olhares, desses dois pensamentos e buscou responder. Ele tem uma import\u00e2ncia e uma responsabilidade muito grande na constru\u00e7\u00e3o desse campo na hist\u00f3ria da Sa\u00fade P\u00fablica e da Sa\u00fade Coletiva no Brasil.<\/p>\n

Eleonora Menicucci<\/em><\/p>\n

Ministra da Secretaria de Pol\u00edticas para as Mulheres do governo Dilma Roussef<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

Sou da gera\u00e7\u00e3o de sanitaristas que teve a sorte de participar de v\u00e1rios momentos importantes da hist\u00f3ria da sa\u00fade p\u00fablica brasileira nas \u00faltimas quatro d\u00e9cadas. Tempos de mudan\u00e7as expressivas no cen\u00e1rio geral do pa\u00eds, em particular no nosso campo, que at\u00e9 foi rebatizado de sa\u00fade coletiva. O Cebes \u2013 Centro Brasileiro de Estudos de Sa\u00fade desempenhou um papel destacado nesse processo. Tive a oportunidade de integrar o grupo fundador do Cebes em Bras\u00edlia, mobilizado por Eric Jenner Rosas, por volta de 1976. Fui colaborador da revista do Cebes, mediante publica\u00e7\u00e3o de v\u00e1rios artigos. Mas, o aspecto marcante da vida cebiana foi a milit\u00e2ncia em prol de um ideal que hoje precisa ser retomado com todo o vigor dos primeiros tempos: democracia \u00e9 sa\u00fade, sa\u00fade \u00e9 democracia. O que passou tem inestim\u00e1vel valor se permanece na lembran\u00e7a de muita gente, pois assim se transforma em rica fonte de inspira\u00e7\u00e3o para o futuro. Essa riqueza, guardada em nossas mentes e cora\u00e7\u00f5es, s\u00f3 tem esse valor se for externada, compartilhada e renovada em a\u00e7\u00e3o com novos companheiros de jornada. Por isso, acho admir\u00e1vel no Cebes a voca\u00e7\u00e3o de recuperar e manter valores conquistados, sempre na busca de novos desafios, ou seja, transformar mem\u00f3rias em trilhas para o futuro.<\/p>\n

Jos\u00e9 Francisco Nogueira Paranagu\u00e1 de Santana<\/em><\/p>\n

N\u00facleo de Estudos sobre Bio\u00e9tica e Diplomacia em Sa\u00fade e a Assessoria de Rela\u00e7\u00f5es Internacionais da Fiocruz Bras\u00edlia<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

A defesa do direito universal \u00e0 sa\u00fade est\u00e1 no centro da luta pela democracia e do que ser\u00e3o nossos principais enfrentamentos nos pr\u00f3ximos anos.<\/p>\n

O Cebes foi um opositor aguerrido e qualificado do desmonte promovido pelo neoliberalismo, com seu entendimento estreito das \u201cfun\u00e7\u00f5es essenciais do Estado\u201d, no governo FHC. Comprovou novamente sua capacidade de articula\u00e7\u00e3o \u00e0 frente do Movimento Sa\u00fade+10, em conjunto com o CNS, na tentativa de garantir a seguran\u00e7a financeira da sa\u00fade p\u00fablica brasileira \u2013 e o cumprimento do que prescreve nossa Constitui\u00e7\u00e3o. Com 2,2 milh\u00f5es de assinaturas, o projeto de lei entrou para a Hist\u00f3ria como o maior PL de iniciativa popular j\u00e1 apresentado no pa\u00eds.<\/p>\n

O Centro ser\u00e1 indispens\u00e1vel nestes tempos sombrios de PEC 55 e apologia, mais do que suspeita, dos ditos planos de sa\u00fade populares.<\/p>\n

Sa\u00fade \u00e9 direito e n\u00e3o neg\u00f3cio. N\u00f3s, do 16\u00ba plen\u00e1rio do Conselho Federal de Psicologia (CFP), concordamos integralmente com essa afirma\u00e7\u00e3o, que tamb\u00e9m foi princ\u00edpio norteador da nossa gest\u00e3o na autarquia.<\/p>\n

Rog\u00e9rio de\u00a0 Oliveira Silva<\/em><\/p>\n

Presidente do Conselho Federal de Psicologia<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

Desde el inicio de la Reforma Sanitaria, el Cebes ha ocupado un papel muy destacado en la lucha por el derecho a la salud. Mi experiencia conCebes ha sido muy intensa durante los \u00faltimos a\u00f1os y me han impresionado particularmente dos cuestiones. Por un lado es muy importante haber llevado a Sa\u00fade em Debate a ser una revista de lectura obligada para las\/os estudios\/as de las pol\u00edticas de salud en Am\u00e9rica Latina con art\u00edculos oportunos y cr\u00edticos. Por el otro es notable la militancia de Cebes en la lucha por la salud y sus pronunciamientos y an\u00e1lisis de coyuntura dirigidos al p\u00fablico en general; tarea que en los tiempos que corren es urgente y prioritaria.<\/p>\n

Asa Cristina Laurell<\/em><\/p>\n

Professora, pesquisadora e atual coordenadora do curso de p\u00f3s-gradua\u00e7\u00e3o de Medicina Social na Universidade Aut\u00f4noma Metropolitana de Xochimilco, na cidade do M\u00e9xico.<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

Poucas institui\u00e7\u00f5es foram t\u00e3o importantes para fazer tanto pela sa\u00fade coletiva no Brasil. O Cebes \u00e9 uma delas.<\/p>\n

Marcio Pochmann<\/em><\/p>\n

professor livre docente da Universidade Estadual de Campinas.<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

Os 40 anos do Cebes \u00e9 um momento de grande significado na hist\u00f3ria da luta pela democracia no Brasil e pela democratiza\u00e7\u00e3o da sa\u00fade p\u00fablica em particular. Como um Centro produtor de conhecimento cr\u00edtico e engajado nas lutas sociais e pol\u00edticas o Cebes tem sido um parceiro das causas feministas pela sa\u00fade da mulher e pelos direitos reprodutivos e direitos sexuais ao longo de todos esses anos e a sua perman\u00eancia ativa tem \u00e9 um sentido fundamental como um sujeito da resist\u00eancia democr\u00e1tica. Quero reafirmar, neste momento de retrocesso pol\u00edtico, desestrutura\u00e7\u00e3o de pol\u00edticas sociais, privatiza\u00e7\u00f5es dos bens comuns e supress\u00e3o dos direitos de cidadania, meu profundo reconhecimento da sua import\u00e2ncia no passado, no presente e para um futuro democr\u00e1tico em nosso pa\u00eds, com justi\u00e7a social e igualdade, que haveremos de construir.<\/p>\n

Maria Bet\u00e2nia \u00c1vila<\/em><\/p>\n

Pesquisadora do SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

O Cebes ocupa um lugar central no debate p\u00fablico brasileiro e na defesa de uma sa\u00fade p\u00fablica, universal e de qualidade. Como economista que sou, me impressiona a capacidade do Cebes de articular o tema da sa\u00fade com as v\u00e1rias dimens\u00f5es do desenvolvimento pol\u00edtico, econ\u00f4mico e social.<\/p>\n

Pedro Rossi<\/em><\/p>\n

Professor Doutor do Instituto de Economia da Unicamp, Diretor do Centro de Estudos de Conjuntura e Pol\u00edtica Econ\u00f4mica (CECON) da UNICAMP.<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n
\n

H\u00e1 pouco tempo, na comemora\u00e7\u00e3o do 4\u00b0 d\u00e9cada de minha formatura, revi o discurso que fizemos (no qual tive boa participa\u00e7\u00e3o) e ali encontrei o que era parte do discurso da esquerda: de alguma forma quer\u00edamos mais do mesmo, apenas funcionando melhor, uma boa sa\u00fade p\u00fablica, um Inamps sem filas, uma popula\u00e7\u00e3o sem mis\u00e9ria. Reflito hoje no salto que demos, ao incorporar que era necess\u00e1rio um salto conceitual e que n\u00e3o bastava a melhoria daquele sistema de sa\u00fade fragmentado que t\u00ednhamos. Creio que a constru\u00e7\u00e3o de um novo pensamento, que lia os conceitos do\u00a0welfare state,<\/em>\u00a0que se remetia a exemplos europeus onde o direito \u00e0 sa\u00fade n\u00e3o estava vinculado \u00e0 contribui\u00e7\u00e3o pret\u00e9rita para um sistema de previd\u00eancia. Num trabalhoso estalar de dedos, nosso projeto mudou e passou a ser muito mais inclusivo, cidad\u00e3o, civilizat\u00f3rio. Nos orgulh\u00e1vamos em Montes Claros, nos anos 80 de constatar que qualquer pessoa era atendido sem se pedir uma carteira do Inamps. A lideran\u00e7a de S\u00e9rgio Arouca foi incontest\u00e1vel, ao lado de Cec\u00edlia Donangelo, Eleut\u00e9rio Rodriguez Neto, H\u00e9sio Cordeiro e David Capistrano, entre muitos, para que avan\u00e7\u00e1ssemos neste arcabou\u00e7o conceitual que tem feito muito \u2013 ainda que reste muito a fazer \u2013 que esperamos que haja se enraizado na sociedade a tal ponto que n\u00e3o possa ser revertido na dif\u00edcil conjuntura que vivemos.<\/p>\n

Francisco Eduardo de Campos<\/em><\/p>\n

Professor Titular Aposentado da UFMG<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n <\/div>\n<\/div>
\n
\n
\n

O Cebes nasce num per\u00edodo de transi\u00e7\u00e3o democr\u00e1tica e desde ent\u00e3o tem assumido um papel diferenciador na comunidade pol\u00edtica da sa\u00fade e junto a setores progressistas da sociedade brasileira. Suas teses, seus posicionamentos, suas proposituras e publica\u00e7\u00f5es tem alcance amplo porque ajuda a pensar a sa\u00fade como pol\u00edtica p\u00fablica social estrat\u00e9gica para constru\u00e7\u00e3o de um projeto de pa\u00eds, sendo este fundamentado em princ\u00edpios, diretrizes e paradigmas que est\u00e3o sendo colocados em xeque na atual conjuntura. Um projeto de pa\u00eds sustentado na soberania nacional e no desenvolvimento s\u00f3cio-econ\u00f4mico-ambiental com redistribui\u00e7\u00e3o de renda e de riquezas, universaliza\u00e7\u00e3o da cidadania, respeito \u00e0 diversidade, compromisso com a igualdade e os direitos humanos, democracia participativa. Esta grandeza s\u00f3 \u00e9 poss\u00edvel porque seu corpo de dire\u00e7\u00e3o e de filiados tem engajamento na luta cotidiana do povo brasileiro e tem inser\u00e7\u00e3o em diversos espa\u00e7os p\u00fablicos e pol\u00edticos, que vai desde a academia, ao controle social, \u00e0 gest\u00e3o. No Conselho Nacional de Sa\u00fade e nas confer\u00eancias nacionais de sa\u00fade o Cebes sempre contribuiu para a qualifica\u00e7\u00e3o das argumenta\u00e7\u00f5es e dos debates acalorados; sempre foi ponte para enlarguecer o di\u00e1logo entre os usu\u00e1rios, trabalhadores e gestores; sempre esteve presente nas lutas contra-hegem\u00f4nicas pelos direitos sociais e pela democracia frente aos poderes institu\u00eddos e \u00e0 sociedade.\u00a0 Tive o apoio do Cebes na condi\u00e7\u00e3o de presidenta do CNS e agrade\u00e7o as vozes cr\u00edticas e colaborativas em diferentes situa\u00e7\u00f5es. Desejo que o Cebes continue se renovando com a organiza\u00e7\u00e3o de seus n\u00facleos de base, e que tenha f\u00f4lego para ajudar o Brasil a ser uma grande na\u00e7\u00e3o ainda por mais 40 anos.<\/p>\n

Maria do Socorro de Souza<\/em><\/p>\n

Pesquisadora da Funda\u00e7\u00e3o Oswaldo Cruz, Diretoria Regional de Bras\u00edlia, ex-presidente do Conselho Nacional de Sa\u00fade (2012-2015).\u00a0<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n

Tive o privilegio de assistir \u00e0 funda\u00e7\u00e3o e desenvolvimento do CEBES, cuja contribui\u00e7\u00e3o est\u00e1, indelevelmente, gravada na hist\u00f3ria da sa\u00fade no Brasil<\/u>. N\u00e3o pode ser omitida.<\/p>\n

No que diz respeito \u00e0 proposta de reflex\u00e3o sobre \u201cmem\u00f3rias do futuro\u201d, vale lembrar que, h\u00e1 quarenta anos, n\u00e3o existiam Alma Ata, PREV SAUDE, SINPAS, CONASP, Diretas J\u00e1, Constitui\u00e7\u00e3o Cidad\u00e3, SUS, ANVISA, ANS e, sobretudo, uma explos\u00e3o demogr\u00e1fica de 110 para 206 milh\u00f5es de habitantes, entre 1976 e 2016, em especial nas regi\u00f5es metropolitanas.<\/p>\n

\u00c0quela \u00e9poca, a agenda era debater a inclus\u00e3o dos conceitos de Medicina Social nas experi\u00eancias pilotos de Medicina Comunit\u00e1ria e de Integra\u00e7\u00e3o Docente Assistencial, resultantes das reformas curriculares da educa\u00e7\u00e3o m\u00e9dica.<\/p>\n

Sem d\u00favida, foi um \u201cfuturo admir\u00e1vel\u201d, repleto de avan\u00e7os quanto \u00e0s pol\u00edticas p\u00fablicas de sa\u00fade e de inclus\u00e3o social, que precisam ser consolidadas e ampliadas.<\/p>\n

Por isso mesmo, transcorridos quase meio s\u00e9culo, al\u00e9m da reafirma\u00e7\u00e3o do que foi conseguido, mas, cuidando de sua sustenta\u00e7\u00e3o, parece prudente reconhecer que segue vigente um vigoroso mercado de servi\u00e7os de sa\u00fade, que necessita de firme regula\u00e7\u00e3o do Estado, a partir do nexo do mutualismo.<\/p>\n

Para tal, ser\u00e1 necess\u00e1rio fundamentar, fortalecer e construir politicas e instrumentos, de ordem legislativa, institucional e regulat\u00f3ria, t\u00e9cnica e eticamente consistentes, que, em ess\u00eancia, permitam gerir o setor sa\u00fade, segundo fundamentos econ\u00f4micos que se aplicam aos \u201cmercados imperfeitos dos servi\u00e7os coletivos essenciais\u201d, nos quais prevalecem os \u201cprinc\u00edpios de solidariedade\u201d (renda, idade, sexo e condi\u00e7\u00f5es de sa\u00fade).<\/p>\n

Este \u00e9 o pr\u00f3ximo desafio das \u201cmem\u00f3rias do futuro\u201d.<\/p>\n

Henri Jouval Jr.<\/em><\/p>\n

\u00a0M\u00e9dico, foi representante da Organiza\u00e7\u00e3o Pan-Americana da Sa\u00fade\/Organiza\u00e7\u00e3o Mundial da Sa\u00fade na Argentina, no M\u00e9xico e no Chile.<\/em><\/p>\n <\/div>\n <\/div>\n<\/div>

\n
\n
\n \"\" <\/div>\n <\/div>\n<\/div>","max_pages":1}